Mandato

Proposta de bilhete único idealizado por Bruno Pessuti ganha destaque da mídia - Bruno Pessuti

Proposta de bilhete único idealizado por Bruno Pessuti ganha destaque da mídia

02 de Julho de 2014
O Projeto de Lei de Bilhetagem Única no transporte público de Curitiba do vereador Bruno Pessuti (PSC) ganhou grande destaque da mídia na última semana, entre os meios de comunicação que noticiaram estavam a Gazeta do Povo, Portal Banda B , Portal Ric Mais, Jornal do Povo do Paraná, Paraná Online, Band News FM e também do site  APUPR da Associação dos Professores da Universidade Federal do Paraná. 

Confira a notícia veiculada pela Gazeta do Povo

Projeto discute adoção de bilhete único para transporte de Curitiba

Baseado no sistema utilizado em São Paulo, proposta sugere o pagamento de tarifa que permitiria ao passageiro ter acesso ilimitado às linhas que operam na rede integrada


Começou a tramitar nesta segunda-feira (30), na Câmara Municipal, um projeto de lei que propõe a adoção de bilhete único no sistema de transporte de Curitiba. Basicamente, a proposta sugere o pagamento de uma tarifa única – de acordo com o período de tempo a ser utilizado –, que permitiria ao passageiro ter acesso ilimitado às linhas que operam na Rede Integrada de Transporte (RIT).

A proposta, que ainda não chegou às comissões da Câmara, indica a possibilidade de uso de três modalidades temporais de cobrança: diária, mensal e semanal. Em tese, o passageiro escolheria uma destas modalidades, pagaria o valor estipulado e usaria o bilhete quantas vezes quisesse durante o período de tempo determinado. Isto significa que, com a compra de um bilhete único diário, a partir da primeira utilização o passageiro teria até 24 horas para usá-lo sem restrições de integração e quantidade de embarques.

O custo da tarifa previsto pelo vereador Bruno Pessuti (PSC), que assina o projeto, seria de no máximo o valor de duas passagens multiplicado pela quantidade de dias escolhidos pelos passageiros.Com a tarifa da passagem individual custando R$2,70, por exemplo, a pessoa que adquirisse um bilhete para usar em uma semana pagaria R$37,80. Contudo, Pessuti ressalta que antes de estipular qualquer cobrança seria necessária a realização de um estudo técnico capaz de avaliar o custo real de cada bilhete.

Para o parlamentar, a adoção deste sistema – que já é usado em cidades como São Paulo – aumentaria as possibilidades de integração entre as linhas disponíveis e ajudaria a reduzir o tempo que os passageiros passam dentro dos ônibus. “Em uma única viagem você pode usar um ônibus vermelho, verde e amarelo sem precisar pagar a mais por isso. Assim, você utiliza o sistema na sua proporção e não teria mais que se adaptar ao sistema, economizando muitos minutos e também alguns reais”, explica.

O vereador afirma ainda que a implantação desse projeto não implica mais custos aos gestores do transporte coletivo da rede integrada, uma vez que, atualmente, o custo do sistema não depende da maneira como é cobrada a tarifa. “É tudo uma questão de melhorar a gestão de como se vende a tarifa”, comenta.

O uso do bilhete único também demandaria a criação de uma técnica de cobrança automática diferente, que conseguisse reconhecer que o bilhete pode ser utilizado sem restrições e que ainda identificasse por qual período a passagem é válida. Por questões de segurança, cartão do bilhete único, identificado como pessoal e intransferível, teria que conter um dispositivo temporal de segurança para impedir uso sequencial por diversas pessoas.

Procurada para comentar sobre o projeto, a Urbs disse que não irá falar sobre a questão por enquanto.

Fonte: Gazeta do Povo/ Vida e Cidadania